fbpx

Fibromialgia e Artrite Reumatóide: tudo o que precisa saber

As doenças crónicas levam as pessoas a experiências indesejáveis no seu dia-a-dia. Conviver com a dor pode afetar vários tipos de relações – sociais, profissionais, familiares, entre outras.

A fibromialgia é uma síndrome na qual o principal sintoma é a dor no corpo durante longos períodos, acompanhada de alterações de sensibilidade e rigidez das articulações, fadiga muscular, distúrbios do sono, dor de cabeça, ansiedade e até mesmo depressão. 

Saiba quais os principais pontos de dor na fibromialgia: 

  • Coluna cervical e dorsal;
  • Cotovelos;
  • Nádegas;
  • Anca;
  • Joelhos

A incidência desta doença é maior nas mulheres, com idades compreendidas entre os 30 e os 60 anos, ou seja, a fibromialgia afeta as mulheres tanto antes como depois da menopausa. 

O diagnóstico da fibromialgia é feito através do historial de sintomas do paciente e de um exame físico, visto isto, é muito importante fazer uma descrição completa dos seus sintomas durante a consulta médica. 

A dor prolongada, característica desta doença, piora a qualidade de vida das pessoas e altera a sua perceção de bem-estar físico e social. 

O estado emocional e as incapacidades físicas e sociais, favorecem um estilo de vida sedentário, diminuem a tolerância ao exercício, aumentam a probabilidade de excesso de peso e promovem sentimentos de incompetência, tristeza e falta de autoestima. 

A fisioterapia é muito importante no tratamento da fibromialgia, porque ajuda a controlar sintomas como dor, rigidez articular, fadiga muscular e distúrbios do sono, promovendo o relaxamento e o aumento da flexibilidade muscular.

A fisioterapia deve ser direcionada para o alívio dos sintomas do paciente:

  • Alongamento muscular: ajuda a relaxar os músculos e a melhorar a sua mobilidade e flexibilidade;
  • Fortalecimento muscular: ajuda a força e resistência muscular, auxiliando na diminuição da dor e da fadiga;
  • Hidroterapia: a água permite a realização de exercícios com maior amplitude, diminuindo a dor e a fadiga, e melhorando a qualidade do sono. Adicionalmente, ajuda na melhoria da dinâmica cardiorespiratória;
  • Massagem relaxante: promove o relaxamento muscular, melhora a qualidade do sono, ajuda na resolução da fadiga e da dor;
  • Eletroterapia: o TENS (neuroestimulação elétrica transcutânea) pode ser usado para reduzir a dor nos pontos dolorosos.

A atuação do fisioterapeuta é de grande importância no tratamento da fibromialgia pois, além de promover o exercício físico, o relaxamento e o fortalecimento muscular, estimula hábitos saudáveis para melhorar a qualidade de vida e reduzir o stress.

O paciente deverá realizar exercícios com precaução, de forma moderada e personalizada, evitando os exercícios de alta intensidade, pois estes podem gerar dor e fadiga muscular.

Deste modo, a fisioterapia ajuda à diminuição dos sintomas, proporcionando uma maior tolerância ao exercício físico, ao desconforto e à diminuição das limitações causadas pela dor. Assim sendo, permite aos pacientes que continuem as suas atividades diárias e ocupacionais com maior eficiência. 

Conselhos:

  • Manter-se ativo;
  • Dormir o suficiente para estar com energia para o dia seguinte;
  • Evitar ingerir alimentos e/ou bebidas com cafeína;
  • Ter uma alimentação saudável;
  • Fazer terapia para ajudar a lidar com pensamentos negativos, fazer o reconhecimento do que agrava os seus sintomas, tal como procurar atividades agradáveis. 

A artrite reumatóide é uma doença crónica, inflamatória e autoimune, que atinge as articulações, causando dor, edema, rigidez e perda da função articular. 

Atinge inicialmente as mãos e os pés, geralmente de forma bilateral, podendo, posteriormente, progredir para outras articulações do corpo. Provoca perda da forma e do alinhamento das articulações, levando a deformidades.

O principal sintoma é a dor, o edema e a rigidez matinal. Podem, ainda, surgir nódulos duros nas mãos e nos pés, e outros sintomas como febre, fadiga e perda de peso.

A incidência desta doença é maior nas mulheres, com início entre os 30 e os 50 anos.   

O diagnóstico da artrite reumatóide engloba: 

  • Exame físico: momento em que o médico irá examinar as articulações, procurar a dor, edema, calor e limitações na realização dos movimentos;
  • História familiar: com o objetivo de descobrir se o indivíduo possui casos de artrite reumatóide na família e se apresenta fatores de risco;
  • Exames clínicos: como análises ao sangue, com o objetivo de encontrar anticorpos anormais e também aferir o grau de inflamação. Outros exames, nomeadamente, raio-x e ressonância magnética, também podem ser realizados para encontrar lesões nas articulações. 

A dor crónica vivida, simultaneamente, com sentimentos de infelicidade, bem como a incapacidade e a evolução da doença, podem favorecer a depressão, afetando negativamente o bem-estar psicológico e a qualidade de vida destas pessoas.

A fadiga é outro sintoma que é considerado como um dos agentes da diminuição da capacidade funcional e força muscular, causando indisposição, cansaço constante, ineficiência para tarefas habituais e laborais, insónia, irritabilidade e exaustão. Esta sensação piora na presença de dor e em situações de stress no ambiente doméstico, familiar, ou de trabalho. 

 Pode ter indicação para iniciar fisioterapia, com os seguintes objetivos:

  • Prevenir e retardar o aparecimento das deformidades;
  • Melhorar a mobilidade articular;
  • Melhorar a força muscular;
  • Ajudar a retardar a atrofia;
  • Melhorar a postura e a coordenação motora;
  • Melhorar a flexibilidade;
  • Aumentar a capacidade de resistência à fadiga; 
  • Melhorar a capacidade aeróbia;
  • Contribuir para o aumento da qualidade de vida e a possibilidade de realizar corretamente as atividades da sua rotina.

Conselhos:

  • Ter uma alimentação variada e saudável;
  • Manter-se ativo fisicamente; 
  • Ter as vacinas atualizadas;
  • Dormir bem durante a noite;
  • Controlar o peso;
  • Evitar estar na mesma posição durante muito tempo;
  • Tomar corretamente a medicação prescrita pelo médico;
  • Não fumar;
  • Fazer adaptações em casa, se necessário.

Se sofre de fibromialgia ou artrite reumatóide, fale connosco para avaliarmos a sua situação e poder iniciar um tratamento adequado às suas necessidades específicas.