Importância da Fisioterapia na Entorse do Tornozelo

Uma Entorse é a perda momentânea da congruência articular, cápsula articular e/ou ligamento ou tendões de uma articulação. Resulta de um movimento traumático, provocado por uma rotação anómala do tornozelo na sequência de um salto, uma queda num buraco ou qualquer outro desequilíbrio. 

Na maioria das situações, trata-se de um problema ligeiro, mas nos casos mais graves, a entorse do tornozelo pode implicar uma luxação, ou seja, o estiramento ou rotura dos ligamentos do tornozelo (que são estruturas elásticas), e pode até fazer-se acompanhar de pequenas fraturas ósseas.

A gravidade da lesão ligamentar pode ser classificada em 3 graus:

ClassificaçãoAlterações estruturais Possíveis Sintomas
Grau IOcorre estiramento ou uma pequena rotura das fibras ligamentares, com pouca ou nenhuma instabilidade articular.Dor leve, pouco edema e rigidez articular mínima.
Grau IIOcorre alguma rotura e separação das fibras ligamentares e instabilidade moderada da articulação.Dor moderada a forte, edema e rigidez muscular.
Grau IIIOcorre rotura total e separação das fibras ligamentares e grande instabilidade da articulaçãoDor forte, edema, hematoma e rigidez muscular.

O mecanismo de lesão mais comum de uma entorse do tornozelo é “virar o pé para dentro” (em termos médicos, trauma em inversão do pé) e são lesadas as estruturas laterais do tornozelo.

É importante haver uma avaliação por um médico especializado, pois dependendo do tipo de lesão, pode ser solicitado a realização de Raio-X ou Ressonância Magnética.

O que fazer após uma entorse? 

Nos primeiros dias após lesão estamos perante a fase inflamatória (1 a 3 dias). 

De seguida apresentamos alguns concelhos e recomendações que deve ter em consideração nesta primeira fase: 

  • Proteção: Evitar atividades e movimentos que aumentem a dor. Poderá ser necessário o uso de canadianas, de acordo com a severidade da lesão. 
    • Ter em consideração que a incapacidade de realizar 4 passos completos poderá ser um sintoma para realização de raio-x, para despiste de fratura associada.
    • A restrição de movimentos numa fase inicial é importante para não agravar a lesão, no entanto, o descanso durante tempo prolongado pode comprometer a qualidade e recuperação dos tecidos. Guie-se pelos seus sintomas, e dentro do limite da sua dor, aumente de forma gradual e progressiva a carga na articulação.
  • Elevação: elevar o membro afetado acima do nível do coração sempre que possível, colocando-o sobre um apoio, quando sentado, e sobre uma ou duas almofadas, quando deitado.
  • Compressão: Pressão exterior usando “tape” ou ligaduras de compressão ajuda a diminuir o edema.
  • Gelo: No caso de sentir dores fortes, colocar compressas de gelo à volta do tornozelo, durante 10-15 minutos (importante não exceder o tempo), não mais de 4 vezes ao dia. 

Após esta fase inicial é importante uma abordagem com movimentos e exercícios específicos, sendo fulcral o acompanhamento por um fisioterapeuta.

O objetivo do tratamento é o retorno às atividades diárias (desporto/trabalho), com remissão da dor, edema e inexistência de instabilidade articular. Existem casos em que há desenvolvimento de instabilidade crónica do tornozelo, conceito que se define pela ocorrência de entorses recorrentes, queixas de dor persistentes e sensação subjetiva de falência articular (sensação que o pé pode “falhar” a qualquer momento ao caminhar). A causa mais comum da instabilidade crónica é uma cicatrização incompleta de uma entorse do tornozelo, sublinhando por isso a importância da fisioterapia após uma entorse.

Texto da autoria da terapeuta Catarina Pino.

Partilhe este artigo

Artigos relacionados

Síndrome do Desfiladeiro Torácico

A Síndrome do Desfiladeiro Torácico (SDT) ocorre devido a uma variação anatómica que comprime a artéria subclávia, a veia subclávia e o plexo braquial, na região do desfiladeiro torácico.

Ler artigo

Síndrome Piriforme: o que é?

O piriforme ou piramidal, é um músculo localização na zona da nádega. Por vezes, este músculo encontra-se em excessiva tensão, comprimindo o nervo ciático. Esta lesão tem o nome de síndrome do piriforme. 

Ler artigo

Drenagem Linfática Manual (DLM)

É uma técnica de terapia manual que é efetuada por profissionais qualificados com recurso a movimentos suaves das mãos através de deslizamentos e bombeamentos de forma a estimular o sistema linfático para o seu bom funcionamento.

Ler artigo

Siga-nos

Política de Privacidade

Dr. André Yee

Línguas: Português, Inglês, Chinês (Cantonês).

Clínica:

Médico Especialista em Medicina Física e de Reabilitação.
Mestrado em Ecografia Musculoesquelética e Intervencionismo Ecoguiado.
Pós-Graduação em Medicina Desportiva.

Áreas de Intervenção: