Saiba como prevenir as quedas em casa

Entre os 75-84 anos, 35% das pessoas sofrerá, em média, uma queda por ano. Após os 85 anos, o valor sobe para 50%. É, desta forma, muito importante aprender a prevenir as quedas em casa.

Sabia que, segundo a Organização Mundial de Saúde, as quedas são a segunda maior causa de morte acidental no mundo?

A cada 15 segundos, um idoso é atendido num serviço de urgência em consequência de uma queda. Além disso, a cada dez idosos que procuram este serviço médico, três precisam de ser internados.

Segundo os dados do Ministério da Saúde, de entre as complicações mais graves estão as fraturas, principalmente de fémur, e traumatismo craniano. Estudos mostram, ainda, que 30% dos idosos sofrem quedas e 75% dessas quedas acontecem dentro das próprias casas.

Sabia ainda que as pessoas que vivem em instituições caiem com mais frequência?

O passar dos anos traz consigo várias alterações a nível fisiológico no nosso corpo, como:

  • alterações da postura;
  • distúrbios músculo-esqueléticos;
  • alterações do equilíbrio e locomoção;
  • deformidades dos pés;
  • diminuição da visão e audição;
  • alterações cognitivas.

Sabia que com o passar dos anos a visão sofre algumas mudanças, o que pode levar a uma diminuição do desempenho visual e consequentemente aumentar o risco de queda?

Causas das quedas, segundo a OMS
Estes fatores aumentam a propensão para quedas e associados, por exemplo, à toma de determinados medicamentos.

A queda é definida por como uma falta de capacidade para corrigir o deslocamento do corpo durante o seu movimento no espaço. 

É possível prevenir as quedas em casa com cuidados simples como:

  • promoção da saúde e prevenção de quedas; 
  • revisão da medicação habitual;
  • modificações nos domicílios; 
  • promoção da segurança no domicílio; 
  • promoção da segurança fora do domicílio.
prevenir as quedas em casa
Adaptar a sua casa a esta realidade é imprescindível para se proteger de eventuais quedas.

Divisão a divisão, dizemos-lhe os cuidados que deve ter para prevenir as quedas em casa.

Aspetos Gerais:

  • Use sapatos adequados, estáveis e fechados, que evitem o desequilíbrio e o risco de tropeçar;
  • Evite andar apenas de meias em casa;
  • Faça uma alimentação saudável e evite ficar muitas horas sem comer;
  • Evite subir a cadeiras, bancos e escadas;
  • Não use roupas muito compridas, que possam arrastar no chão;
  • Evite carregar objetos grandes e pesados que reduzam o desempenho visual.

Iluminação

  • Assegure iluminação suficiente em todas as divisões;
  • Coloque luzes de presença, luzes ativadas pelo toque, sensores de movimento ou interruptores numa área acessível quando entra numa divisão.

Cozinha 

  • Os armários devem ser de fácil alcance;
  • Organize o material de modo a que os utensílios mais frequentes estejam a uma altura de fácil alcance;
  • Coloque um tapete de borracha ou antiderrapante na área próxima do lava-loiças;
  • Use sapatos com solas de borracha para evitar escorregar.

Quarto 

  • Não deve ter mobiliário em excesso;
  • A cama não deve ser nem muito alta nem muito baixa;
  • Deve haver uma mesa de cabeceira que sirva de ponto de apoio;
  • Deve existir um ponto de apoio à entrada/saída do quarto.

Casa de banho 

  • Use tapetes anti-derrapantes ou qualquer outra base aderente;
  • Use sapatos de borracha ou utilize uma cadeira de banho firme e resistente;
  • Não se segure a varões de toalha, cortinas de banho e/ou lavatórios, pois podem ser instáveis e não adequados para servir de apoio. Se necessário, instale barras de apoio que assegurem um melhor suporte;
  • Use banco de sanita elevado e, se possível, com apoio de braços para facilitar transferências e contribuir para a segurança e manutenção da postura.

Sala

  • O ambiente deve ser iluminado, cortinas abertas e claras, paredes de cores leves facilitam a iluminação.
  • Mantenha espaço livre para circulação, retire obstáculos como: tapetes, mesa de centro e objetos espalhados pelo chão;
  • Mantenha os fios dos aparelhos elétricos o mais perto possível dos rodapés.

Escadas

  • Instale corrimões em ambos os lados, fita anti-derrapante nos degraus e interruptor de luz no início e fim da escada.

Corredor

  • Se necessário, coloque um corrimão;
  • Remova os obstáculos, tapetes ou passadeiras.

ATENÇÃO

Se tiver animais de estimação deve estar especial atento. Muitas quedas dão-se por os animais fazerem os donos tropeçar. 

Em que é que a Fisioterapia pode ajudar?

  • reforçar o equilíbrio;
  • ajudar nas orientações em casa;
  • melhorar a postura;
  • aumentar a força muscular;
  • melhorar o padrão respiratório;
  • aperfeiçoar a marcha;
  • promover o seu bem estar e qualidade de vida.

MUITO IMPORTANTE

Pode ser necessário o uso de uma bengala ou andarilho para melhorar o equilíbrio. Não se sinta inferiorizado e não tenha receio de pedir ajuda! Solicite o auxílio de um profissional de saúde qualificado para verificar qual o dispositivo mais adequado para si. 

Texto da autoria da Fisioterapeuta Elisa Figueiredo.

Partilhe este artigo

Artigos relacionados

Síndrome do Desfiladeiro Torácico

A Síndrome do Desfiladeiro Torácico (SDT) ocorre devido a uma variação anatómica que comprime a artéria subclávia, a veia subclávia e o plexo braquial, na região do desfiladeiro torácico.

Ler artigo

Síndrome Piriforme: o que é?

O piriforme ou piramidal, é um músculo localização na zona da nádega. Por vezes, este músculo encontra-se em excessiva tensão, comprimindo o nervo ciático. Esta lesão tem o nome de síndrome do piriforme. 

Ler artigo

Drenagem Linfática Manual (DLM)

É uma técnica de terapia manual que é efetuada por profissionais qualificados com recurso a movimentos suaves das mãos através de deslizamentos e bombeamentos de forma a estimular o sistema linfático para o seu bom funcionamento.

Ler artigo

Siga-nos

Política de Privacidade

Dr. André Yee

Línguas: Português, Inglês, Chinês (Cantonês).

Clínica:

Médico Especialista em Medicina Física e de Reabilitação.
Mestrado em Ecografia Musculoesquelética e Intervencionismo Ecoguiado.
Pós-Graduação em Medicina Desportiva.

Áreas de Intervenção: